Questo sito usa cookie per fornirti un'esperienza migliore. Proseguendo la navigazione accetti l'utilizzo dei cookie da parte nostra OK

O Prédio

 

O Prédio

 

16422236 764026500418340 5782193005720409716 o

 

Juscelino Kubitschek, presidente da República de 1956 a 1961, realizou o que estava escrito na Constituição do Brasil sobre a nova capital do país: construiu Brasília no planalto central.

No final de 1958, o governo brasileiro doou lotes de terreno de idêntica dimensão (25.000 metros quadrados) a todos os Países amigos, para que pudessem construir as novas sedes das respectivas Embaixadas

Em novembro de 1959, o então Ministro Conselheiro da Embaixada da Itália no Rio de Janeiro, Carlo Enrico Figlioli, escolheu o lote 30 da quadra 807 do Setor Sul das Embaixadas.

Neste lote – um dos melhores pela vista para o Lago Paranoá, que na época era pouco mais de um campo coberto de arbustos – foi edificada a primeira construção simbólica: uma pequena casa para o vigilante.

A obra para a construção da nova sede da Embaixada começou no final de 1966, quando o Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores do Brasil) mudou-se do Rio de Janeiro para Brasília.

O vínculo estreito entre a Itália e o Brasil, fundado em milhões de brasileiros descendentes de italianos que emigraram nos séculos XVIII e XIX, reflete-se na relação especial entre as duas capitais, que celebram sua fundação no mesmo dia: 21 de abril. Para sancionar este vínculo ideal entre a capital mais antiga do mundo e a mais recente, o Governo italiano doou a Brasília uma cópia da famosa escultura da loba romana que amamenta os gêmeos Romulo e Remo. Hoje, a escultura está no espaço em frente ao Palazzo Buriti, sede do Governo do Distrito Federal.

O Governo brasileiro expressara o desejo de que os edifícios das embaixadas se harmonizassem com o contexto arquitetônico e estilístico de Brasília, na tentativa, contudo, de respeitar e expressar da melhor forma as tradições arquitetônicas de cada país.

Esta orientação do Governo brasileiro levou o então Embaixador Prato a apoiar a candidatura de Pier Luigi Nervi como autor do projeto da sede. Na época, Nervi era o arquiteto italiano mais famoso do mundo e suas obras, realizadas nos anos que se seguiram à Segunda Guerra Mundial, eram um dos símbolos mais eloquentes da reconstrução da Itália e do milagre econômico. Entre as obras de Nervi, lembramos o Auditório Paulo VI do Vaticano (hoje chamado “Sala Nervi”, no qual o Papa realiza suas audiências públicas semanais), o Palácio da Unesco em Paris, o ginásio Palazzo dello Sport em Roma e, ainda, o centro "Italia 61", em Turim.

A construção da embaixada exigiu esforços consideráveis e apresentou diversas dificuldades. Após a elaboração do projeto preliminar e a elaboração do projeto executivo, entre 1970 e 1973, o contrato foi assinado com a empresa brasileira Irfasa, em 23 de abril de 1974. A Irfasa ficou encarregada da realização do projeto sob a supervisão direta do Escritório Nervi, representado em Brasília pelo arquiteto Piacente.

A obra foi concluída e entregue ao embaixador Maurizio Bucci em janeiro de 1977, com os resultados que podemos apreciar hoje. A primeira recepção oficial realizou-se em 2 de junho de 1977, Dia da República.

Hoje, a Embaixada é destino para os turistas que visitam a capital brasileira, bem como para os apaixonados e os estudantes de arquitetura. Recentemente, dois famosos designers brasileiros de origem italiana, os irmãos Humberto e Fernando Campana, trabalharam no projeto de renovação decorativa de alguns espaços interiores.

 

O projeto arquitetônico

A Embaixada expressa com eloquência as melhores tendências da técnica arquitetônica moderna que, principalmente com o uso de concreto armado, viu a Itália se sobressair em nível internacional.

 

download 3

pilastri in notturna

 

O grande edifício não se resume apenas no espaço da sede diplomática. Uma fila ordenada de pilares, que no topo se ramificam em quatro braços (tetrápodo), suporta quadrados perfeitos. Cada quadrado é a base de uma estrutura com bordas inclinadas que abriga tanto os escritórios quanto a residência do Embaixador. Estes pilares dão à estrutura uma leveza excepcional que faz com que ela pareça ser projetada para cima.

A transparência do pórtico, quase totalmente livre, com a cumplicidade da inclinação natural da terra, favorece a vista do lago e da paisagem que se estende para além. Ao mesmo tempo, o pórtico constitui um espaço sombreado e ventilado, desempenhando a função que geralmente, nos prédios e nos palácios, é atribuída aos pátios internos.

A inclinação dos muros das fachadas da estrutura principal (cerca de 30° da vertical), associada à ação do brise-soleil vertical que marca irregularmente as elevações, protege o interior da luz solar direta.

 

angolopilastri

 

A fachada principal e as fachadas laterais, atrás das quais funcionam os escritórios diplomáticos, são mais severas em relação à fachada da residência privada, que é mais livre e caracterizada por varandas profundas com vista para o lago, para o jardim, a quadra de tênis e a piscina.

A estrutura é muito clara, enfatizada pelo uso, quase didático, de elementos de suporte verticais e pela malha de lajes e placas expostas: cada tetrápodo é o ápice de um pilar octogonal localizado no centro de um quadrado, 12 metros por lado. Os braços do tetrápodo, que se abrem ao longo das diagonais (sem chegar aos cantos do quadrado superior, mas parando a 3 metros de distância), sustentam uma placa, cujas costelas desenham formas rombóides com cantos arredondados, entrelaçados, segundo diagonais de 45°.

O elemento fundamental do projeto é o tetrápodo, que reflete o hábito de Nervi - bem como a arquitetura italiana em geral, já no começo do pós-guerra - de criar formas fechadas, esculpidas e anti-industriais, contrárias a qualquer tentativa de padronização ou repetição.

Na parte inferior, o equilíbrio é enriquecido por uma série de pequenos degraus de mármore branco descendo para um espelho d’água, que destaca a leveza da construção suportada pelos pilares. O mármore branco e os reflexos de aço da escultura do artista italo-brasileiro Moriconi, intitulado "Núcleo" contrabalanceiam o efeito escuro do espelho d’água.

 

embaixada da itlia joana franalagoscultura moriconi

 

 

 

 

 

 

A busca por formas perfeitamente adaptadas às necessidades estáticas é sublimada pelas infinitas possibilidades oferecidas pelo cimento.

Concebido seguindo a lógica do palácio, o edifício proporciona o desempenho de todas suas funções nos espaços internos. No centro de cada um dos quatro quadrantes foi recortado e aberto um pequeno claustro, sempre de forma quadrada.

Em correspondência com estas aberturas, ao nível do pórtico, foram adotadas diferentes soluções: o quadrante norte hospeda um fragmento do jardim; o quadrante leste é dedicado a duas escadarias helicoidais que ligam a chancelaria ao térreo (este quadrante não é caracterizado por um claustro, mas por uma série de pequenas aberturas de luz ao longo das conexões verticais); o quadrante ocidental se debruça para o espelho d’água e é sustentado por pilares, três deles imersos em água, sem alterar a simetria da fachada principal (pelo contrário, reforçando seu caráter monumental); dentro do último quadrante, ao sul, fica a cobertura piramidal do grande espaço multifuncional subjacente.

 

dscn7876 cpia

esp 0035

 

Os mármores utilizados para a decoração do edifício são o Granito Verde de Ubatuba, o Rosa Imperial, o Azul da Bahia, o Vermelho Jacarandá e o Cinza Andorinha. A madeira utilizada para os pisos e os revestimentos das paredes de algumas salas internas é Sucupira e Jacarandá Paulista. Tanto os mármores como a madeira foram escolhidos no mercado local brasileiro, enquanto as outras decorações vieram da Itália.

O projeto decorativo optou pelo uso de alguns móveis antigos, já presentes na sede no Rio de Janeiro, e de outros com um design mais moderno. Foram utilizados tapeçarias, tapetes e cestas típicas do artesanato da Sardenha.

O lote 30 da quadra 807 não é famoso apenas pelo edifício da Embaixada, mas também por seu jardim, criado pelo arquiteto paisagista Ney Dutra Ururahy.

 

giardino 2

giardino

 

 

 

 

 

 

 

À escolha das plantas foi dedicado um cuidado especial, sobretudo em relação à cor das flores, de modo a ter diferentes tons de vermelho. Na maioria dos casos, foram escolhidos arbustos e plantas brasileiras, mas também plantas de outros lugares. Mais de uma centena de buganvílias vermelhas e lilás, dezenas de arbustos de Tibouchina, com suas belas flores, misturam-se com as Estrelas de Natal mexicanas, as Azáleas, o Hibiscus Rosa, as Orquídeas Roxas de Hong Kong e as espetaculares flores vermelhas e alaranjadas dos Flamboyants.

Entre os diferentes tipos de árvores e plantas, a partir de um grande Tamboril, intercalam-se cerca de cem exemplares de Copaíba e algumas "Árvores de chuva", todas rigorosamente brasileiras.

Dentro do espelho d’água, existem três grupos de plantas aquáticas, incluindo ninféias e "falsos papiros". Seixos e mosaicos completam a superfície. O jardim, apenas parcialmente modificado em relação ao design original, sempre foi considerado um dos mais belos de Brasília.


90